É do grande caos interior que se pare a estrela que dança

Nietzsche nas paredes da estação PARQUE do Metro de Lisboa